A Escola

Muitas meninas me perguntam como é a escola onde faço o curso de norueguês, então tirei umas fotos para vocês terem uma idéia. Apesar de ser mais distante da anterior que ficava no centro de Tønsberg, essa escola é bem moderna, ampla e bem cuidada. Estudar num lugar assim, pelo menos para mim, é ótimo. Na outra eu conseguia ir a pé em meia hora, nessa já fica contra mão, pois ela fica em Eik.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Para quem vem morar em Tønsberg, é nesse local que vocês vão estudar 🙂 Apesar do frio que faz no inverno, a escola é quentinha, como a todos os outros lugares. Na hora da pausa o povo se reúne e lancham juntos, jogam ping pong, conversam, relaxam até o próximo horário das aulas.

Por falar nisso, vou recomeçar o På Vei (vou pegar o novo livro, o primeiro que usei foi o antigo que foi descontinuado), que é o primeiro livro que muitos estudamos e que nos dá uma ótima base. Falo isso pois tem gente que chega aqui vindo como refugiado e sequer sabem ler, aí o livro que eles usam é um outro, para depois estudarem com o Påa Vei.

Além do que alguns países tem um alfabeto totalmente diferente do nosso brasileiro e do norueguês que é praticamente igual, exceto pelas letrinhas “ø, å, æ” que não temos no nosso. Então eles aprendem do zero mesmo, trabalho de formiguinha, mas tem que ser assim. Eu ainda luto para falar corretamente o som dessas letrinhas, assim como meu marido com o som do “ão, ãe, lh, nh, g e j” pois para eles essas duas últimas letras também tem som diferente do nosso idioma.

Eu vivo um caso de amor e (muito) ódio com o idioma, mas tirando a parte difícil de aprender uma língua completamente diferente e da maldita pressão que sofro, é enriquecedor ter essa chance, ser capaz de entender mais de um idioma. Então meninas, força na peruca e continuemos com isso, que uma hora a fluência chega!

I’m back

Oi pessoas, ando sumida né? Muita coisa para fazer e ainda fiquei doente… aí desanimei de ficar escrevendo.

Resumindo, finalmente comecei o bendito curso sobre a sociedade, leis e hábitos noruegueses. Aquelas 50 horas que a UDI exige para termos a permanência. Foi difícil nos dois primeiros dias, pois a mulher do emprego não quis me liberar do trabalho da manhã, com isso perdi 1 hora em cada dia. Mas aí a professora me deu uma carta assinada por ela, para ser entregue na empresa pois o curso é obrigatório, exigência da UDI.

Eu já havia mencionado isso quando pedi a semana livre, mas ela disse que não podia me dispensar. Fiquei puta, mas fazer o quê? Saía correndo do trabalho para ir ao curso. Expliquei na escola que me pressionou pelo outro lado, dizendo que eu tenho que fazer, pois foi a UDI que mandou e tem a ver com a minha permanência… um saco. Mas o problema se resolveu quando enviei a carta da professora e a carta que a escola me enviou confirmando minha vaga no curso, com os detalhes de dias e horários.

Então fiquei a vinterferie (uma semana de férias de inverno) toda fazendo o curso, tive a última quinta inteira na escola para mais 6 horas e meia e terei ainda nos dias 7 e 14 de março as duas últimas aulas desse curso. Não sei se terei que ir para mais duas horas (aquelas que eu perdi né..) no verão, mas pelo menos serão só duas horas.

Fora o estresse de estar na escola, num curso que seria em inglês, mas é dado 90% do tempo em norueguês, pois misturaram a turma dos que só falam inglês com os que não falam (eu não entendi a lógica disso), no fim da semana ainda levei um baita susto com um acidente que aconteceu na saída do curso.

Uma somaliana que vinha logo atrás de mim, no caminho para irmos pegar o bus foi atacada por um cachorro e foi um horror. Porque a dona do cachorro não prestou socorro e, apesar de ambas terem ido ao chão quando o cachorro mordeu a moça, a norueguesa simplesmente levantou, se ajeitou e continuou o passeio dela com o bicho. Tem noção disso???

Eu voltei para ajudar porque ela ficou caída no chão sozinha, a dona foi embora mesmo. Fiquei puta com a atitude dela. Podia ser medo, receio da reação da mulher, mas ela me viu voltando e podia ter esperado para falar, pedir ajuda. Sei lá..

A moça gritava, chorava.. e o sangue escorrendo no rosto.. eu não sabia o que fazer, se falava com o marido dela no telefone, se levantava ela. Por fim, disse a ele que falávamos mais tarde porque ela estava ferida e precisava de ajuda. Falei pra ela em norsk que voltaríamos para a escola e assim fizemos. E ela chorando e gritando na língua dela e xingando a norueguesa que continua passeando com o cachorro, xingou até uma vizinha que saiu para ver o que houve e nem tinha nada com isso. O pessoal da escola ajudou ela, falou com o marido e levaram a moça para o hospital.

Depois disso fiquei doente, mas continuo indo ao curso, vamos terminar logo, pois no fim do ano quero saber as news quando for renovar meu visto 🙂 Mas vou te contar… que curso chato da porra!!! Apesar de eu entender muito bem o que a professora fala em norsk e de vez em quando ela traduzir pro inglês, continuo achando um porre parte do curso. Mas por outro lado é ótimo para saber como funcionam as coisas aqui, entender como eles agem, pensam, vivem.

A professora é um doce, uma fofa, os colegas são, no geral, bacanas, conheci uma indiana, uma menina da Tanzânia e um cara da Bósnia que eu acho muito inteligentes. Alguns outros estudaram comigo antes, mas tem uma matraca na turma que afff…. a senhora sabe tudo, com aquele sotaque chato dela. Ai ai.. falta pouco Daniela, falta pouco.

Depois volto para contar do casamento da minha amiga ontem. Mesmo cansada, me despenquei toda linda para Fredrikstad para o casório da Luciana e Tore e foi muito bom estar com eles nesse momento, em breve posto fotos.

Resumo das últimas semanas

Ando ocupada com o curso de norueguês, com a vida, com os amigos por isso a ausência por aqui. Tem dias que penso, preciso registrar isso e postar no blog… e cadê que eu lembro de fazer isso? So sorry..

Dia 28 de fevereiro Espen foi comigo ao curso de norueguês saber o resultado do teste e foi divertido tê-lo por lá. Quando chegamos meus amigos logo pensaram que ele era o novo professor, haha! Como íamos começar o novo período no curso com o novo livro  poderia haver mudanças de professores, por isso a dúvida deles. Encerramos o livro På vei, fizemos o teste e começamos a usar o Stein på Stein. Sim, eu me saí bem no teste, minha professora aproveitou para dizer à ele que precisamos falar mais norueguês em casa, pois eu entendo bem e preciso praticar mais em casa para soltar a língua.

Foi uma reunião bacana, com direito a bolos, chá, café e muito bate-papo. As minhas amigas mais chegadas conversaram a beça com Espen. Quando voltávamos para casa ele brincou comigo dizendo que foi bom sim ter ido lá e visto que eu realmente vou ao curso em vez de ficar batendo perna por aí..hahaa! Palhaço né? Olhem como meus amigos do curso são divertidos e como nossa super teacher é linda.

Minha amiga Cléo esteve por aqui again por 3 semanas e foram dias bem legais, não pude estar com ela o tempo todo, mas fomos a Bergen passar o dia, no começo de março e nos reunimos para umas noites de bagunça quando ela estava por aqui. Bergen é uma cidade linda, pena que foi só um dia para ver tanta coisa, mas espero voltar lá com mais tempo e para um fim de semana inteiro, assim aproveito para ver as outras amigas que moram lá. Teve uma noite especial, com a galera reunida – até a sogra dela foi, para se despedir da Cléo. Que ela volte logo e, quem sabe, para ficar 🙂

Ainda teve reunião em Oslo para dar as boas vindas para a Cecília Moura, na casa do Alex e foi também uma noite mega divertida e agradável. Sem falar nas pizzas feitas com massa integral e no delicioso pudim de leite condensado com amendoim que ele fez… ahhhh dieta zero, comi mesmo!! A coisa foi tão legal que as 2 caipirinhas e os muitos copos de vinho nem me deixaram bêbada. Juro! Obrigada Alex, Cecília e aos nossos amores por fazer dessa noite algo memorável, e muito obrigada pelo presente.. um cd com músicas exclusivas da nossa musa MADONNA!  Olha que coisa mais linda esse pudim!!

No dia seguinte foi a vez do aniversário da pequena Letycia e da mamãe dela, a Jana, no melhor estilo festa brasileira com muitos, eu disse MUITOS docinhos, salgadinhos e balas, pirulitos e etc. Meu marido ficou chocado com tanta comida para o primeiro aniversário da neném…hahaha! Mas amou os risoles, coxinhas, empadas, bolos e as balas de côco, aquelas branquinhas. Mais um item para trazer do Brasil. Meus enteados não puderam ir conosco, mas na volta passamos lá na casa deles e deixamos as sacolinhas lotadas de docinhos, balas, pirulito e tudo que coube na sacola. Olhem e me digam se vocês resistiriam a essas belezuras…

Fora isso, ainda visitamos três museus, que quero falar em posts separados. Edvard Munch (autor daquele famoso quadro O Grito), Vikingskiphuset (onde está o mis antigo barco Viking encontrado nessas terras, encontrado em 1904, com data do ano de 834 como sendo a data em que foi “enterrado” junto com seu dono) e o Fram, que conta a história de expeditores noruegueses famosos que ficaram 3 anos presos no navio deles no meio do Ártico cercados totalmente por gelo… e tiramos muitas fotos! Mas volto depois com um post sobre cada museu para vocês conhecerem um pouquinho mais.

Beijos

Para quem estuda norueguês por conta própria

Vira e mexe alguém me envia mensagem perguntando sobre onde pode encontrar material para estudar o norueguês, a maioria que pergunta estuda por conta própria e no Brasil, por exemplo, é difícil achar livros, cds que possam usar no aprendizado da língua.

Uma amiga dividiu na comunidade dela no Orkut um link para quem quer baixar livros, gramáticas, áudios em norueguês. Eu mesma já baixei alguns, pois uso, além do Stein på Stein, o Teach Yourself  Norwegian, mas não tinha o áudio, que encontrei nesse link.

Fiquem à vontade para baixar o material nesse link aqui.

PS: Respondendo uma leitora sobre se eu ainda atualizaria o blog: Sim, sempre que tiver novidade, postarei aqui. O blog estava com uns probleminhas, por isso fiquei essas duas semanas sem postar nada, até o Roney finalizar a manutenção e correção dos erros. Agora está ok 🙂

Mais perto da Norsk Prøve 2

Essa semana estamos de “férias”, uma semana em casa aproveitando o vinterferie (Férias de inverno). Coincidência é quando acontece o carnaval no Brasil, mas aqui não tem carnaval, mesmo meu marido dizendo que tem uma “espécie” de carnaval.. eu nunca vi nada que se iguale. O 17 de maio (dia da Constituição) para mim é mais como o nosso 7 de setembro, com desfile dos milatares e escolas. Aqui as escolas, com suas bandas e alguns outros grupos, apresentam-se numa parada bem colorida e animada.

Semana passada fiz mais um teste no curso de norueguês. Seria um mais próximo do que veremos na NP2, eu achei que ia me enrolar e não entender nada. Mas sai de lá com uma sensação boa, agora é esperar o resultado dia 28, após o vinterferie. Por incrível que pareça achei o listening (Lytt) bem mais fácil que nos outros testes e respondi a todas as perguntas, uma eu não devo ter acertado, foi bem rápido e escrevi o que entendi.

Eu ainda não domino a escrita, entendo o que leio, mas quando preciso escrever, me enrolo com os verbos, pronomes e afins.. mas, como disse, ainda assim achei fácil o teste, respondi todas as questões. Daqui até fim de maio, início de junho (ainda não sabemos a data do teste oficial Norsk Prøve 2) vou estudar e repetir tudo que foi dado. Minha professora sempre fala para reescrevermos os textos dados na aula, ouvi-los até enjoar, reescrever os que fizemos e ela corrigiu, para irmos nos habituando com as regras da gramática norueguesa. E ela tem razão!

Dia 28 nos reuniremos para saber o resultado, comer bolo e tomar café e chá.. eu me ofereci para fazer um dos bolos 🙂 Prometo uma foto da minha nova turma.

Volta às aulas no curso de norueguês

Hoje foi o primeiro dia do novo ano letivo no curso de norueguês. Achei que iamos voltar direto para as aulas no horário, sala antigos e com o mesmo professor, porém as coisas mudaram. Deram as boas vindas e nos encaminharam às salas com professores que falavam a nossa língua, isso eu achei bacana, um tanto curioso, mas ainda assim bacana. Mesmo me sentindo tentada a seguir a turma que fala inglês…hehe.

Sim, tinha um professor que falava português, mas não é assim  uma Brastemp.. o português dele, pois ele é lindo..ahhaha! Então lá fomos nós para a sala junto com alguns alunos que falavam espanhol também. (Oi?) O mais inusitado foi uma brasileira metida a besta que resolveu ser a tradutora de tudo que a professora de norueguês dizia e também um outro professor que falava espanhol, que se aboletou na sala e explicava para o povo hispânico.

Então as brasileiras que se danassem para entender o norueguês da professora animada ou o espanhol corrido do hola-chica-tu-eres-muy-guapa (fale isso bem rápido.. hahaha!). Eu ri né? Bom, pelo menos entendi algo do que ele disse, ajudado pelo que entendi do norueguês da professora. Mas uma amiga estava lá perdidinha. No final o bonitão que falava português ficou inibido e calado a maior parte do tempo. Tadinho.. ainda disse que o português dele não era lá essas coisas.

A notícia é que mudei de turma. Ainda não sei se isso é bom ou ruim, mas desconfio que estou em nível diferente do da minha antiga turma. Meus amigos ficaram lá com meu super professor.. snif! O Dario, espanhol, que era da minha antiga turma também está comigo nessa nova sala. Ao menos dois latinos no meio de tantos de Eritreia, Palestina e Iraque. Mas tudo bem, será um novo desafio, espero fazer novos amigos e soltar de vez essa língua, a professora é bem simpática e atenciosa. Agora é uma questão de honra e mais ainda de necessidade (muita necessidade). Não aguento mais essa dependência econômica do marido, as crises, limitações e agústias que isso acarreta. E também não gosto de quem me tornei nesse último ano e quero mudar isso.

Foi um dia bom, revi meus amigos e amigas e depois da aula ainda fomos bater perna no shopping para ver as novidades. Tem coisa melhor que sair com as amigas para olhar vitrine?? Melhor mesmo só se eu pudesse comprar, comprar, compraaaaaaar!!!

Sonhar ainda é de graça, ufa!

Férias, enfim!

Hoje foi o último dia de aula, ontem fomos com o pessoal do curso passear em Oslo, visitamos o Museu Kon-Tiki e o Vigeland Park. Foi bem bacana, pena que foi meio corrido. Mas deu para tirar algumas fotos, achar duas meninas que estavam tentando fazer capoeira, comer salsicha (povo sem imaginação) e ainda conheci a Carolina do blog Coisas da Carolina que foi lá me dar um “oi” com o filho dela, o Lucas. Que é uma fofura, lindo demais.

Carol e eu

O Museu

O Kon-Tiki Museet ou Museu do Kon-Tiki fica na ilha de Bygdøy, em Oslo. O museu foi inicialmente construído para abrigar o barco Kon-Tiki, uma réplica de barcos pré-colombianos, que Thor Heyerdahl ut ilizou para velejar e navegar à deriva com as correntes marítimas, desde o Peru até à Polinésia, em 1947.

Outro barco que vemos no museu é o Ra II, construído com as técnicas que Heyerdahl pensou poderem ter sido utilizadas no antigo Egipto. Heyerdahl usou o Ra II para navegar desde o norte de África até ao Caribe. Uma tentativa anterior com o Ra I fracassou, tendo o barco sido perdido durante a expedição e a tripulação evacuada. O museu tem também uma coleção de artefatos que Heyerdahl obteve durante as suas expedições arqueológicas na Ilha da Páscoa, incluindo uma cópia das suas conhecidas estátuas gigantes de pedra.

Vigeland Parken

O Parque Vigeland fica a 3km de Oslo e tem uma área de 320.000 m², com muitas áreas verdes, locais para exposições e atividades ao ar livre. O parque é famoso também por suas 212 esculturas de bronze e granito, de autoria de Gustav Vigeland. As esculturas materializam inerências da existência humana, como o trabalho, a ira, a maternidade, o sexo, a fraternidade e etc. Na entrada principal do parque existem quatro grandes portões, que dão acesso a uma ponte, um obelisco, uma fonte e um playground. Na saída principal existe a escultura de quatro velhos levantando uma criança, que segundo Vigeland, é um simbolo de eternidade.

Eu particularmente gosto muito, acho lindas todas as esculturas, as de granito especialmente, com suas formas robustas e arredondadas.. preciso voltar lá com mais tempo para fotografar todas.

Fim das aulas

Então hoje foi nosso último dia de aula. Foi mais uma reunião para sabermos o resultado do teste, pegarmos os muitos trabalhos escolares para fazer e troca de telefones, emails e comer uns bolos, beber chá, suco e tals. Pena que, a maioria saiu correndo assim que o professor terminou de falar e desejou boas férias. Pena mesmo pois esses não provaram do meu famoso pavê de abacaxi. Hehe. Fiquei feliz porque, todos gostaram do pavê, inclusive meu professor. Procurei fazer menos doce, pois sei que eles aqui não são chegados a muito açúcar.

Meus amigos Michel, eu (com a blusa aberta, argh!), Henriks, Brikity e Timothy.